São Tarcísio

Padroeiro dos Acólitos e Coroinhas

História de São Tarcísio

Texto: Expedição 19

Nos primeiros séculos de nosso tempo, houveram grandes perseguições aos cristãos. Muitos destes cristãos foram capturados, torturados e martirizados. Os mártires eram aqueles que defendiam sua fé cristã com a própria vida. A comunhão era o que fortalecia estes cristãos; e Tarcísio é considerado o primeiro mártir da Eucaristia. Infelizmente, ainda hoje no século XXI, esses martírios ainda ocorrem no Oriente.

Por isso São Tarcísio é o padroeiro dos Acólitos e Coroinhas. Acólitos são os Ministros Sagrados da Eucaristia.

Não há muitas notícias sobre a vida do jovem Tarcísio. Mas existem alguns relatos que diferem um pouco em seus detalhes mas o conteúdo final destes relatos são sempre os mesmos.

Tarcísio, nasceu em Roma por volta do ano 245. Alguns relatos afirmam ele era um garoto orfão que vivia nas catacumbas de São Calixto, também em Roma. Naquela época havia uma grande perseguição aos cristãos por parte do imperador Valeriano. Isso era no ano de 257. Muitos destes cristãos eram capturados, presos, torturados e condenados a morte. O último desejo destes cristãos aprisionados era receber a Santa Eucaristia para se fortalecerem; e assim enfrentarem o embate de seu martírio.

As cerimônias religiosas eram realizadas secretamente nas catacumbas. Em uma delas, realizada nas catacumbas de São Calixto, o padre pergunta quem poderia levar a Eucaristia aos irmãos presos que seriam martirizados. Pois ele, seria identificado facilmente. Alguns relatos afirmam que este padre era o Papa Sisto II, em outros é mencionado apenas que era um padre. O fato é que um jovem de aproximadamente 12 anos, de nome Tarcísio, se ofereceu para tal missão. O sacerdote a princípio negou tal tarefa sagrada a uma pessoa tão jovem, mas Tarcísio disse que sua aparência jovem seria um ótimo disfarce e que defenderia a Eucaristia com a própria vida e jamais as entregaria a um pagão.

Diante da postura e convicção de Tarcísio o sacerdote lhe confiou tão sagrada missão. Quando já estava na rua a caminho do local onde os cristãos estavam presos, Tarcísio foi barrado por alguns garotos que já o conheciam e queriam lhe arrancar aquilo que ele trazia junto ao peito. Tarcísio gritou: “Por favor, me deixem estou com pressa. Não posso ficar aqui com vocês. E tentaram tirar dele de todas as maneiras aquilo que ele estava carregando. Um outro garoto que se aproximava disse que aquilo que Tarcísio carregava era os segredos dos cristãos e que ele agora também era um cristão. Quando ouviram isso todos passaram a agredir Tarcísio com pedradas, socos e pontapés, mas ele não entregou o objeto sagrado que estava sobre seus cuidados.

Um soldado se aproximou e afugentou os malfeitores que agrediam Tarcísio. Pegou o menino, já desfalecido, em seus braços e o levou para o sacerdote nas Catacumbas de São Calixto. Em alguns relatos é dito que este soldado era um oficial pretoriano que secretamente era cristão. A tradição diz que quando foram procurar pela Eucaristia, não a encontram, nem em suas mãos, nem entre as roupas de Tarcísio. Os fragmentos consagrados, defendido com a vida pelo pequeno mártir, se tornou carne da sua carne, formando junto ao seu corpo uma única hóstia imaculada, oferecida a Deus. Era agosto de 257.

Tarcísio foi sepultado ali mesmo nas Catacumbas de São Calixto na Via Ápia em Roma, na Itália. Quem visitar este local, poderá ver a estátua do santo nos jardins. Parte de suas relíquias estão na Basílica de São Silvestre.

São Tarcísio, padroeiro dos coroinhas e acólitos é festejado no dia 15 de agosto.

Oração a São Tarcísio

“Glorioso São Tarcísio, mártir da Eucaristia, puro e humilde de coração, rogo pela pureza de minha pobre alma e de meu corpo. Por vossa angélica pureza, mártir de Cristo, rogo-vos que intercedas por mim ante o Cordeiro Imaculado: Jesus Cristo, e ante a Sua Mãe Santíssima, a Virgem das Virgens, e que me preservais de todo o pecado mortal. Glorioso São Tarcísio, não permitas que eu seja manchado com alguma mancha de impureza, mas quando me virdes em tentação ou perigo de pecar, afastai do meu coração todos os pensamentos e afetos imundos. E despertando em mim a lembrança da eternidade e de Jesus Cristo Crucificado, imprimi profundamente em meu coração o santo sentimento do temor de Deus. Inflamai-me no amor divino, para que, imitando-vos aqui na terra, mereça regozijar de Deus, no Céu.” Amém.

São Tarcísio, rogai por nós.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *