São Vicente de Paulo

Patrono das Obras de Caridade

História de São Vicente de Paulo

Texto: Expedição 19

São Vicente de Paulo foi um padre muito amado e respeitado por todos; fracos e fortes; nobreza e pobreza. É o maior exemplo da caridade em sua época. Segundo São Francisco de Sales, Vicente de Paulo era o “padre mais santo do século”.

Nascido em 24 de abril de 1.581 em Pouy, no sul da França. A cidade tem hoje o nome do santo.

Vicente de Paulo era o  terceiro de cinco irmãos, desde criança trabalhava na fazenda tomando conta dos rebanhos. Por ocasião de sua primeira comunhão o padre local incentivou aos seus pais que o colocassem na escola da cidade. Foi nessa época que surgiu o desejo de se tornar sacerdote; seu pai, vendeu uns bois que tinha e o matriculou na Universidade de Toulouse. Tornou-se padre aos 19 anos de idade.

Algum tempo mais tarde, uma senhora, que o admirava, o fez herdeiro. Porém teve que ir até Marselha para receber a herança. Quando retorna de viagem, o barco onde está é pilhado por piratas turcos que o fazem prisioneiro e o vendem como escravo.

Durante esse período, passa por maus bocados, mas sempre reza a Virgem Maria e lhe pedi por sua libertação, além de oferecer seu sofrimento pela conversão de seu dono, um fazendeiro que, para viver naquele país, havia renegado sua religião e se tornado muçulmano. Um certo dia, uma das três esposas de seu algoz ouve padre Vicente cantando e fica emocionada. Pede então para ele traduzir o que cantava. Ela ficou maravilhada; repreende seu marido e o condena por ter abandonado sua religião e feito daquele inocente seu escravo. O patrão pede perdão a padre Vicente e embarcam clandestinamente para a França.

Quando retornam à França o homem é reintegrado a igreja católica e vai com padre Vicente para Roma, onde passa a viver em um mosteiro. Padre Vicente começa a frequentar cursos de Teologia na Universidade Romana. A humildade e inteligência e sua história de vida, chamam a atenção do Papa Paulo V e também de um embaixador francês. Em 1.608 ambos confiam a padre Vicente uma missão junto ao rei da França que o nomeia Capelão da rainha. Nessa época padre Vicente estuda Direito Canônico e no novo cargo que ocupa, é o responsável pela distribuição do dinheiro aos pobres. Como sempre sua vida é devotada a pobreza e se recusa a morar no palácio do rei, indo viver em um hotel, onde divide o quarto com um Juiz.

Em 1.610, padre Vicente assume uma paróquia no subúrbio de Paris. Lá se sente mais a vontade, pois lembra muito suas raízes camponesas. Mas não demora muito e é obrigado a deixar de viver com os pobres, pois é nomeado por seu bispo para viver, como professor e conselheiro de uma nobre família francesa. Mas dava a criadagem do castelo a mesma importância que tinha com os nobres.

Após viver um longo período junto a essa família, padre Vicente é nomeado para recuperar uma paróquia esquecida em Châtillon. Chegando lá ele encontra a igreja em total abandono, animais tomavam conta do local. Coloca a igreja em bom estado, converte os nobres e toda sociedade local em pessoas caridosas e preocupadas com o próximo.

Em 1.618, padre Vicente conhece o Bispo de Genebra, Francisco de Sales (São Francisco de Sales) que estava na França cumprindo uma missão diplomática da Sabóia. Naquela época Genebra pertencia a Sabóia. Padre Vicente se torna também Capelão Geral das Galeras. Galeras eram embarcações que navegavam à vela ou a remo. Os remadores eram os condenados por delitos comuns. Eram tratados como animais, trabalhavam dez horas por dia debaixo de chicote. Padre Vicente ficou horrorizado com o tratamento que recebiam. Reclamou das condições de alojamento e organizou visitas regulares aos prisioneiros. Desfez injustiças, libertou inocentes e pediu aos guardas um tratamento mais humano. Muitos desses prisioneiros se reconciliaram com Deus. Uma certa vez padre Vicente chegou a trocar de lugar com um condenado na fila de remadores, mostrando sua compaixão e igualdade àqueles homens desviados da fé. Padre Vicente, não tinha parada fixa, sua prioridade era sempre os pobres e excluídos.

Fundou a Congregação da Missão, nela junto com outros padres começam a evangelizar os camponeses. Foi então oferecido a padre Vicente um local maior que havia sido feito para abrigar leprosos, mas estava sem doentes. E desde então os padres eram chamados de Lazaristas. Naquela época os hospitais não eram muitos e consequentemente viviam lotados. Padre Vicente recorre então às Damas da Caridade, uma obra que reunia senhoras nobres do reino, para que esta situação fosse remediada. Essa também foi sua contribuição para unir as classes sociais. Diante de toda essa situação, padre Vicente percebe que já não era mais possível para a senhoras da nobreza, a dedicação aos pobres e a sua própria família. Foi então que criou uma nova sociedade composta por moças e senhoras religiosas; a Congregação das Filhas da Caridade. Que se multiplicaram e hoje estão por toda parte do mundo.

Em 1.648 a região parisiense foi assolada por uma guerra civil onde alguns membros da nobreza e clero queriam render Paris pela fome, mas a fé e coragem de padre Vicente consegue convencer os membros dessa revolução e a paz volta a reinar.

A preocupação de padre Vicente não era somente a França. Ele atua junto a missionários franceses na Itália. Organiza Confrarias de Caridade para cuidarem de doentes abatidos por uma peste na Polônia. Ganha a confiança dos nativos da República de Malgaxe, hoje Madagascar e assim consegue evangelizá-los. Mas infelizmente só em 1.830 a França realiza o sonho de São Vicente de Paulo, e põe fim à escravidão, ocupando a Argélia. Mas voltando a 1.660, padre Vicente vem a falecer na manhã do dia 27 de setembro, em Paris, na França.

São Vicente de Paulo foi canonizado em 1.737 pelo Papa Clemente XII.

Em 1.833 Antônio Frederico Ozanam funda a Sociedade de São Vicente de Paulo, uma obra que tem o objetivo de auxiliar a pessoa do próximo. Seja essa carência material ou espiritual. Seus membros são conhecidos como Vicentinos.

Em 1.885 São Vicente de Paulo é proclamado pelo Papa Leão XIII, patrono das obras de caridade da igreja católica. O corpo do santo, está em uma urna de vidro na Capela de São Vicente de Paulo, em París, na França.

São Vicente de Paulo, patrono das obras de caridade, é festejado no dia 27 de setembro.

Oração a São Vicente de Paulo

“Glorioso São Vicente, celeste padroeiro de todas as associações de caridade e pai de todos os infelizes que, enquanto vivestes sobre a terra, nunca faltastes àqueles que se valeram de vossa proteção; vede a multidão de males de que estamos oprimidos e correi em nosso auxílio; alcançai do Senhor socorro para os pobres, auxílio aos enfermos, consolação aos aflitos, proteção aos desamparados, conversão aos pecadores, zelo aos sacerdotes, paz à Igreja, tranquilidade aos povos e a todos Salvação. Sim, que todos experimentem os efeitos de vossa benéfica intercessão, e que, socorridos assim por vós nas misérias desta vida, possamos reunir-nos convosco lá no céu, onde não haverá mais tristeza, nem lágrimas, nem dor, mas alegria e uma bem-aventurança eterna.” Amém.

São Vicente de Paulo, rogai por nós.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *