Santa Luzia

Protetora dos Olhos

Texto: Expedição 19

Há vários relatos e lendas em torno da vida de Santa Luzia; a santa protetora dos olhos e padroeira dos oftalmologistas. O que difere estes relatos são detalhes, porque o desfecho é igual em todas as versões.

A maioria dos primeiros santos católicos foram mártires ou seja, pessoas que foram submetidas a tortura e morte por não renunciarem sua fé cristã. O reconhecimento de  santo, era inicialmente feito por aclamação popular, mas sua confirmação vinha mais tarde pelos bispos locais. Isso mudou à partir do século X, daí em diante a decisão final para a canonização de um santo, passou a ser do Papa em Roma. A sepultura de um mártir, era considerado local sagrado e sobre elas igrejas eram construídas. Daí a tradição de se dar nome de santos às igrejas.

Luzia ou Lucía, em italiano, nasceu no ano de 283 em Siracusa, na Sicília, Itália. Seu nome deriva do latim lux que significa luz, para alguns o fato de ter sido proclamada a protetora dos olhos.

Luzia era de uma família rica, seu pai morreu quando ainda era criança.

Sua formação cristã vinha desde pequena, tanto é; que na adolescência fez voto de virgindade perpétua. Luzia era uma moça muito bonita, com olhos lindos, o que despertava o interesse de muitos homens na época. Sua mãe não sabia das suas intenções e queria vê-la casada, prometendo ela em casamento a um jovem rapaz de família distinta, porém pagão (para facilitar o entendimento, ele não era cristão). A mãe de Luzia, sofria de uma hemorragia muito intensa; então Luzia propôs a ela uma peregrinação até o túmulo de Santa Ágata em Catânia, mais ou menos 60 quilômetros de distância. Chegando lá pediu em oração à Santa Ágata pelo restabelecimento da saúde de sua mãe e foi atendida. Aproveitou e contou a sua mãe a intenção que tinha de devotar sua vida a Deus e doar seus bens aos pobres. Sua mãe aceitou sua decisão e quando voltaram a Siracusa começaram a vender e a doar seus bens.

O jovem, que se interessava não somente pela beleza de Luzia mas também em seu generoso dote (dote era uma quantia em bens ou dinheiro que era acertado com o noivo para se casar, esse costume ainda existe em algumas regiões do mundo). Ele começou a se preocupar, pois Luzia e sua mãe estavam dilapidando o patrimônio da família. Durante esse período ele ficou sabendo das intenções de Luzia de não se casar mais, despertando nele grande íra. Então ele a denuncia como cristã (os cristãos eram perseguidos nesta época). Luzia então foi presa e apresentada a Pascásio prefeito da cidade de Siracusa que, por sua vez a apresentou ao Imperador Diocleciano, que persuadiu ela a adorar aos deuses romanos, mas ela não o fez.

Luzia foi então condenada a um prostíbulo para assim perder sua maior virtude, mas ela dizia que o corpo só se contamina se a alma consente. Por um milagre seu corpo tornou-se tão pesado quanto uma rocha e vários soldados não conseguiram movê-la do lugar. Decidiram então que lhe pusessem fogo, mas nenhuma chama queimou seu corpo. Contam relatos que Luzia arrancou os próprios olhos dizendo que jamais adoraria um deus pagão. Um outro relato diz que foi submetida ao castigo mais severo. Mandaram lhe arrancar os olhos e servi-los em uma bandeja. Mas no dia seguinte ela foi abençoada com outros olhos ainda mais bonitos. Independente destes relatos terem ou não acontecido, o fato é que ela nunca se converteu ao paganismo; então deceparam-lhe a cabeça. Era 13 de dezembro de 304.

Somente em 1.894 foi comprovada sua existência com achados arqueológicos em Siracusa. Ela já havia sido canonizada pelo papa Papa Gregório Magno entre o final do século V e início do século VI. Mas a devoção a santa já existia desde o início do século V.

O corpo de Santa Luzia está na Catedral de São Jeremias em Veneza, na Itália. Ele está exposto dentro de uma urna de vidro e pode ser visto por qualquer visitante.

Santa Luzia ou Santa Lucía, para os italianos, é sempre lembrada por ser a protetora dos nossos olhos. A janela da alma.

Oração a Santa Luzia

“Ó virgem admirável, Cheia de firmeza e de constância, que nem as pompas humanas puderam seduzir, nem as promessas, nem as ameaças, nem a força bruta puderam abalar, porque soubeste ser o templo vivo do Divino Espírito Santo. O mundo cristão vos proclamou advogada da luz dos nossos olhos, defendei-pois, de toda a moléstia que possa prejudicar a nossa vista. Alcançai-nos a luz sobrenatural da Fé, Esperança e Caridade para que nos desapeguemos das coisas materiais e terrestres e tenhamos a força para vencer o inimigo e assim possamos contemplar-vos na Glória Celeste.”

Amém.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *