Santa Filomena

Virgem e Mártir

História de Santa Filomena

Texto: Expedição 19

A devoção a Santa Filomena surgiu no século XIX, quando suas relíquias foram encontrada nas Catacumbas de Santa Priscila, em Roma, na Itália. No local, havia três placas de terracota, que fechavam a sepultura. Nela as seguintes inscrições:  “Lumena-Paxte-Cumfi”. De acordo com o estudo de vários arqueólogos, deve ser invertida a ordem das placas e interpretado como: “Paxte- Cumfi-Lumena”, traduzindo: “A Paz esteja contigo Filomena”. 

Dez de agosto de 1805. As relíquias de Santa Filomena chegam a pequena cidade de Mugnano del Cardinale. Há mais ou menos 40 quilômetros de Nápoles, na Itália.

Três anos antes, mais precisamente em maio de 1802, uma sepultura com ossos de uma mulher  que aparenta ter entre 12 e 15 anos de idade, é encontrada nas Catacumbas de Santa Priscila em Roma. Mas uma coisa intriga os peritos e autoridades civis e eclesiásticas presentes. As inscrições e desenhos que estão nas lápides de terracota indicam a descoberta. É a sepultura de um mártir dos primeiros séculos da era cristã. 

De volta ao ano de 1805, o padre Francesco de Lucia, pároco da Igreja de Nossa Senhora das Graças da cidade de Mugnano del Cardinale, vai até Roma acompanhando o bispo de sua diocese. Ele tem um desejo em mente, levar para sua cidade a relíquia de um santo mártir. Padre Francisco, obteve autorização para ir até o local onde relíquias dos mártires repousavam. Quando estava ajoelhado diante das relíquias de Santa Filomena, foi arrebatado por um desejo inexplicável de levá-las para Mugnano del Cardinale. Até então a Santa Sé nunca havia confiado uma tarefa tão importante a um simples sacerdote. Mas padre Francisco não desanima e pedi a Santa Filomena que interceda por ele e lhe alcance a graça de levá-la para Mugnano del Cardinale. Assim a faria padroeira daquela cidade. Aí começam as inumerosas graças intercedidas por Santa Filomena. No dia 10 de agosto de 1805 as relíquias da Santa chegam a Mugnano del Cardinale e lá se encontram até os dias atuais.

Mas como é a história de Santa Filomena? No dia 3 de agosto de 1833, Santa Filomena aparece em uma visão para a irmã Maria Luísa de Jesus, fundadora das Oblatas de Nossa Senhora das Dores e lhe faz uma revelação enquanto a irmã rezava em frente a uma pequena imagem de Santa Filomena. Ela própria diz que o traslado de seus restos mortais não havia chegado por acaso no dia dez de agosto a Mugnano del Cardinale, mas sim porque exatamente naquela data havia sido o fim de seu martírio, ou seja a data que ela havia entrado no céu. Na segunda aparição, ainda no mês de agosto, a santa lhe diz que era filha de um casal real Grego. Como não podiam ter filhos e desejavam por um herdeiro para dar continuidade a sucessão real, sempre estavam fazendo promessas aos seus falsos deuses. 

Vivia no palácio, a serviço do rei, um médico romano que professava a fé cristã. Ele aconselha ao casal que deveriam ser batizados e acreditassem na religião cristã, pois ele tinha certeza que suas preces seriam ouvidas. E foram, nasceu uma linda criança ao qual batizaram como Filomena que significa filha da luz. Os anos se passaram e a espiritualidade cristã de Filomena só aumentava. Aos onze anos de idade, quando já havia recebido sua primeira eucaristia, fez votos secretos de virgindade perpétua. 

Quando Filomena tinha treze anos de idade, seu pai é ameaçado pelo imperador romano Diocleciano que quer travar uma guerra com seu reino. Diante disso, o rei parte com a esposa e filha para Roma. Sua intenção é pedir clemência ao Imperador e assim evitar uma guerra injusta. Chegando a Roma, são recebidos em audiência pelo Imperador. Tão logo Diocleciano vê Filomena, fica encantado com a beleza da moça, ouve prontamente o discurso de defesa do rei e ao final lhe diz que não se preocupe com uma possível guerra, muito pelo contrário, se tornaria um aliado, mas para que isso aconteça quer a mão da encantadora Filomena em casamento. O rei e sua esposa, ficam felizes, porque além de conter o início da guerra, sua filha seria Imperatriz de Roma. Mas Filomena nega prontamente aos desejos do Imperador e por mais que seus pais tentem convencê-la ela estava irredutível, já havia se consagrado à Jesus Cristo. 

O Imperador teve aquela reação como afronta, mas mesmo assim tenta persuadir Filomena com promessas e galanteios. Diante da recusa da jovem o Imperador manda prendê-la e os galanteios se transformam em ameaças. Vendo que nada conseguia, o imperador resolve mandar torturá-la em público com chicotadas e blasfêmias. Após sessões de torturas a prendem-na novamente para agonizar e morrer. Mas naquela noite dois anjos vieram visitar Filomena e a curam com um bálsamo celestial. Na manhã seguinte quando o Imperador fica sabendo que Filomena não havia morrido, manda buscá-la e quando a vê, ela está mais bela do que antes. Diocleciano manda amarrar uma âncora ao pescoço de Filomena e que a lancem no rio Tibre. Dois anjos são enviados e cortam a corda que prendia a âncora ao pescoço da virgem. Diocleciano a chama de feiticeira e manda matar a moça a flechadas, mas as flechas que eram lançadas se voltam contra os arqueiros. 

Diante de todos esses milagres, muitas pessoas se convertem. Com medo de consequências mais desastrosas o Imperador manda decapitar Filomena. Era exatamente às três horas da tarde de uma sexta-feira, provavelmente no século III. 

Vários milagres intercedidos por Santa Filomena são relatados, mas talvez, um dos mais conhecidos foi o milagre da francesa Paulina Maria Jaricot. Em 1835, muito doente de uma enfermidade cardíaca e já desenganada pelos médicos, Paulina decide peregrinar até Mugnano del Cardinale e pedir o milagre de sua cura a Santa Filomena. Ao sair da França, decide passar por Roma e consegue uma audiência com o Papa Gregório XVI. Pedi a ele a canonização de Santa Filomena caso volte curada. O Papa responde que sim, pois do jeito que Paulina estava doente, ele não poderia tirar lhe também esta esperança. Depois de uma exaustiva viagem, Paulina chega a Mugnano del Cardinale na véspera da festa  de Santa Filomena. No dia seguinte consegue comungar e desmaia. Todos pensam que Paulina havia morrido, mas recomposta do desmaio, ela pede que a levem até o relicário de Santa Filomena. Um milagre, Paulina está curada. Era 10 de agosto de 1835. O Papa Gregório XVI aprovou o culto a Santa Filomena em 1837. Suas relíquias estão no Santuário de Santa Filomena em Mugnano del Cardinale, na Itália.

Santa Filomena, virgem e mártir é festejada no dia 10 de Agosto.

Oração a Santa Filomena para alcançar uma Graça impossível

“Gloriosa Santa Filomena, Virgem e Mártir, exemplo de fé e esperança, generosa na caridade, a vós suplico, escutai a minha prece. Do Céu onde reinais, faça cair sobre mim toda proteção e auxílio de que necessito, neste momento em que minhas forças se enfraquecem. Vós que sois tão poderosa junto a Deus, intercedei por mim e alcançai-me a graça que vos peço (graça que deseja receber). Ó Santa Filomena, ilustre por tantos milagres, rogai por mim. Não me abandonais, mas lançai vosso olhar como um raio de esperança sobre mim e minha família. Afastai as tentações, dai paz a minha alma e abençoai a minha casa. Ó Santa Filomena, pelo sangue que derramastes por amor a Jesus Cristo, alcançai-me a graça que vos peço (repita agora o seu pedido).” Amém

Rezar 1 Pai-Nosso, 1 Ave-Maria 1 Glória ao Pai.

Santa Filomena, rogai por nós.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *